domingo, 22 de setembro de 2013

Ah!... O amor.


Por que o amor é assim?
Será que de fato amamos?
Sabemos de fato amar, ou amamos a uma ideia...?
A ideia que fazemos do amor...?

Idealizamos o ser amado... nosso alvo...
Como se fosse um boneco inerte...
Podendo nele incrustar nossa realidade...
Moldar nosso "eu"; nossa mera vontade.

Se almejamos mudanças, então não se ama.
E se vê, quão complexo o amor pode ser...
Desejamos o ser, desejamos o ter... e que tenha a gente.
E que tenha da gente, o melhor que queremos.

E sim, nós amamos. E amamos com garra...
Garras de gavião; ousadas, seguras... até como posse.
E o amor que nos contos, de terno se retrata...
Na vida se espalha como carne ensaguentada.

domingo, 8 de setembro de 2013

teu ninho


Sou teu ninho
Onde deixas tua cria
Onde podas tuas asas
Onde a mim, só faz ninar

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Teu gosto...


Teu gosto me invade...
Insistente, inebriante...
Não aceitas a recusa...
Sou tua casa, teu final...