domingo, 21 de agosto de 2011

Valeu a pena...



Valeu à pena sorrir...
 Deixar de herança duas marcas profundas da tal expressão...
Valeu à pena chorar...
E jamais esquecer o sabor salmorento de cada emoção...
Tudo que fiz nessa vida, de certo valeu a pena...
Cada palavra dita... Cada ofensa poupada...
Cada beijo roubado... Cada sonho lembrado...
Cada tapa merecido que a vida me deu... 
Não tenho dúvida alguma, que tenha valido a pena...
Valeu à pena esperar...
O alívio da dor...
O brilho do sol...
A felicidade.
Valeu à pena amar...
Quando este acabou no arfar do prazer...
Ou nas noites insones velando o fruto...
Valeu a pena nascer...
Valeu a pena viver...
E quando a essência se fizer dominar...
Terei também a certeza...
Que valeu a pena morrer.

(Parte integrante do meu livro de poemas “Palavras soltas”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário